quarta-feira, 3 de julho de 2019

,
Foto por Nick Morrison.
Olá, escritores!
Chegamos ao nosso queridíssimo mês de julho e, como já é de tradição por aqui, temos um Desafio Criativo especial para as férias.

Nosso objetivo principal é ajudar cada autor a mergulhar em si para encontrar a fonte de criatividade e, por consequência, de material para a escrita. Sendo assim, organizamos um arquivo com cinco grande temas para serem desenvolvidos em cada uma das cinco semanas do mês. São eles:



Em cada tema, os autores encontram duas propostas de escrita que ajudam tanto na criação quanto no planejamento da carreira de escritor. Bacana, não?

Quer participar?


Então basta escolher abaixo qual dos e-books você quer (o conteúdo é o mesmo, só mudam as capas) e começar a escrever. Você pode ou não compartilhar os textos criados, mas pedimos que, no fim do mês, você uma passada lá no nosso grupo do Facebook para compartilhar como foi a sua experiência. 😉

Para realizar o download, escolha qual capa que você gosta mais e dê aquela força compartilhando nas suas redes sociais clicando no "Pay with a tweet" que está embaixo das imagens. Assim que você o fizer, o link para download do arquivo ficará disponível para você.






Bom trabalho a todos!

sábado, 1 de junho de 2019

,
Foto: Bruna T. Russo.

Olá, escritores!
É com muita felicidade que publicamos este post! Estamos aqui para convidá-los para o lançamento do primeiro livro de uma das nossas moderadoras. A Intermitência das Coisas: sobre o que há entre o Vazio e Caos foi escrito pela Fernanda Rodrigues, teve leitura crítica das outras duas moderadoras do projeto (Ane Carol e Ayumi Teruya) e está sendo publicado pela Editora Penalux.

Foto: Bruna T. Russo.


O evento será no dia 08 de junho, às 16h horas, na Casa Elefante, em São Paulo. Neste dia, além dos autógrafos, haverá uma performance artística das atrizes do Na Companhia do Útero e um sarau com microfone aberto para os amigos escritores que queiram apresentar seus textos. :) Sendo assim, apareçam com os seus textos!

Confirme a sua presença no evento do Facebook

A Intermitência das Coisas é o primeiro livro publicado da paulista Fernanda Rodrigues, e o seu processo de escrita surgiu em paralelo à elaboração do livro de breve narrativas que ela escreveu durante a minha pós-graduação em escrita de ficção. Nele, há um retrato da movimentação da poeta no espaço contemporâneo, suas mudanças e os aprendizados e, principalmente, como os ciclos que se iniciam e que se findam preenchem o vácuo que habita entre o vazio e o caos.

É muito bacana ver escritores do Projeto Escrita Criativa ganhando asas! Contamos com a presença de todos vocês, ok?

Lançamento do livro A Intermitência das Coisas: sobre o que há entre o Vazio e o Caos
Autora: Fernanda Rodrigues
Data: Sábado, 08 de junho de 2019
Horário: das 16h às 18h30
Local: Casa Elefante (ver mapa abaixo)
Endereço: Rua Cesário Mota Junior, 277 Sobreloja, 01221-020 São Paulo/SP
Clique aqui para acessar o evento no Facebook.


Até sábado!

terça-feira, 14 de maio de 2019

,
Calí Boreaz e Tadeu Rodrigues.
Olá, escritores! 
Nas últimas semanas, a nossa moderadora, Fernanda Rodrigues, esteve no Festival Literário Internacional de Poços de Caldas – Flipoços – e hoje começamos uma série para compartilharmos um pouco do que aprendemos com a vivência dela por lá.

A borboleta monarca foi o símbolo dessa edição do Flipoços por estar presente em todos os continentes.

A poesia e a mudança de narrativa 


No primeiro dia de evento, vimos o encontro da poeta portuguesa Calí Boreaz, com o também poeta poços-caldense Tadeu Rodrigues. Ambos falaram da importância do texto poético em dias tão duros quanto os atuais. Calí ressaltou como escrever poesia é um modo que ela tem de lidar com o exílio e como esse lugar de exilada é sempre de erro. Tadeu aproveitou a deixa para nos mostrar que o poeta se sente no lugar de erro justamente porque o mundo está frio. Ambos veem o gênero poético como a arte que vai na contramão do cotidiano acelerado que a modernidade impõe. Ler poesia exige do leitor justamente um tempo próprio – de assimilação e digestão tanto da forma, quanto do conteúdo. Para finalizar o encontro, os poetas leram poemas de seus lançamentos: Outono Azul a Sul (Calí Boreaz, Editora Urutau) e A Utilidade do Rascunho (Tadeu Rodrigues, Selo Doburro).

Abaixo, alguns vídeos que a Fernanda gravou sobre isso:

   




Leituras dos poemas:







Aprendemos que:
1. É importante refletir sobre o papel da arte no mundo em que vivemos e como ela impacta nas pessoas;
2. Que é importante saber falar sobre e ler a própria obra. 

No próximo post, contaremos o que aprendemos com a genialidade de O Jogo da Amarelinha, de Júlio Cortázar.
Até lá!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

,
Imagem por: @rawpixel


Ano Novo, novos sonhos...
Assim ela acreditava, mal sabia que seria o ano mais difícil da sua vida.
Ano que teve que enfrentar muitos desafios. Mas o maior deles foi enfrentar a si mesmo.

Teve que despir-se de todas as suas crenças para que o novo pudesse entrar.
E a cada novo aprendizado, acompanhado de muita sorte muito medo, aprendeu que era forte, mais forte do que jamais ousou imaginar.

Percebeu até que podia voar... Voar para lugares nunca antes explorados em sua imaginação.
Entendeu que a única pessoa que tinha o poder de limitar seus sonhos era ela mesma.

E, mesmo com a alma em frangalhos, ultrapassou todos os limites impostos por seu inconsciente. Terminou o ano de pernas para o ar, e do avesso. E, finalmente entendeu que o avesso era sua melhor versão.

Era o que estava oculto por tanto tempo e que gritou por anos sem ser ouvido.

O avesso...

Então se tornou pacífico e o pior ano da sua vida, foi o melhor ano da vida!

Texto produzido por Elaine Barbosa, a partir da proposta do Desafio Criativo  de fevereiro, que teve como tema dizer: Qual sua rede social favorita? . O desafio criativo estimula os autores a criarem uma história a partir do tema escolhido em nosso grupo no Facebook. Para acessá-lo, clique aqui.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

,
Imagem por rawpixel.
Olá. escritor! 
Ano passado foi bem produtivo para os escritores e escritoras do Projeto Escrita Criativa. Tivemos muitos textos maravilhosos nas blogagem coletiva e nos desafios criativos. Alguns deles, sobre o processo de fazer literário. São eles que queremos destacar na postagem de hoje, pois acreditamos que eles podem te ajudar, principalmente se você tiver uma ideia, mas não saber muito bem o que fazer com ela. 😉

5 dicas para encontrar inspiração 

A escritora Ana Catarina escreveu no Tudo sob Linhas como ela usa dos cinco sentidos humanos para se inspirar e escrever. Que tal você ler o post dela e fazer esse exercício? Lá você ainda encontra uma dica extra. Clique aqui e confira!


5 dicas que ajudam a aumentar a tensão em uma história

Começou a escrever, mas sente que a sua narrativa anda sem emoção? Se você acha que não está conseguindo prender o seu leitor, é a hora de clicar aqui e ler o post da escritora Maria Vitoria, com 5 dicas que ajudam a aumentar a tensão em uma história.


5 dicas para ser um bom vilão 

Precisa de um vilão e acha que não consegue superar a Paola Bracho ou a Carminha? Seus problemas acabaram! A Sabrina, do blog Charme de Menina, não só listou as 5 principais características de um bom vilão, como também trouxe exemplos dos vilões preferidos dela. Quer conferir? Clique aqui.


5 dicas de livros que foram bem escritos 

Por fim, mas não menos importante, a gente sabe que para ser um bom escritor, tem que ser um bom leitor. Sendo assim, a escritora Rubyane Santos, do Epílogo em Branco, listou os cinco melhores livros que já leu. Clique aqui, conheça as obras e adicione-as à sua lista de leitura.


E você? Tem alguma dica preciosa para compartilhar conosco? 
Deixe aí nos comentários! :)

domingo, 3 de fevereiro de 2019

,
Imagem por: rawpixel.
Olá, escritores! 
Que tal aproveitar 2019 e se jogar nos concursos literários? Participar de concursos é sempre uma oportunidade bacana para ter o seu texto publicado de algum modo, sem custo (ou com custo baixo). Sendo assim, deixamos abaixo uma lista de concursos e chamadas para publicação ordenada por prazo final para a realização das inscrições.

14 de fevereiro: Prêmio Sesc de Literatura;


31 de maio: Antologias Grupo Editorial Andross:
Boa sorte a todos! 

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

,
Imagem por: dimitrisvetsikas1969 / 11769 imagens.
Carola estava sentada na areia, admirando aquela imensidade de água. Muitas reflexões sobre a grandiosidade e exuberância das ondas, tomavam seus pensamentos já a algum tempo. 

Nem se lembrava de que chegou ali tão agitada, praticamente em pranto algumas poucas horas atrás.

Sua conexão com o mar era tão grande que nesse momento só existia ela e as ondas. Ela e o som enebriante das ondas. Sentia-se tranquila, respirava calmamente. Ela e o mar... Ela e as ondas... O mar e ela... As ondas e ela...

E, como se estivesse em profunda oração, respirando profundamente, repetia para si: que o mar leve tudo que é pesado, que dói, que não me traz paz...



Texto produzido por Elaine Barbosa, a partir da proposta da Blogagem Coletiva de janeiro, que teve como tema que o mar leve. A blogagem coletiva estimula os autores a criarem uma história a partir do tema escolhido também coletivamente em nosso grupo no Facebook. Para acessá-lo, clique aqui.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

,
Imagem: lukasbieri.
Olá, escritor!
Se você tivesse que preencher um formulário e dizer a sua profissão, incluiria a literatura no seu currículo? Uma das maiores dificuldades do escritor no começo de carreira é justamente passar do "sou pseudo-escritor", "escrevo alguma coisa", "sou escritor amador" para a assertividade do "sou escritor". Então é sobre isso que quero falar hoje nesta postagem.

Por que é tão difícil se assumir escritor?

Acredito que os motivos estão fundamentados na visão que a sociedade tem do escritor. Normalmente, este ponto de vista varia entre dois polos: o primeiro é o do autor como ser iluminado, quase divino, que é o mais inteligente e intelectual da turma, sendo, então um ser inatingível; já o segundo, relaciona-se com a desvalorização das artes e humanidades em geral. Ou você vira um superstar, fazendo novelas da Globo ou turnês multimilionárias, ou você vai morrer de fome, vendendo miçangas na praia.

Encontramos, portanto, um problema grave. Este 8 ou 80 ignora as diversas nuances e, sobretudo, o esforço que há na carreira literária. Deve-se dizer que quem vive das artes não é um ser divino, mas alguém que trabalha duro - e sim, isso inclui os atores e cantores famosos -; que a arte, seja a literatura ou qualquer outra, pode ser aprendida e não depende de um milagre; que é possível ter sucesso (ainda que ele não esteja relacionado necessariamente com ter muito dinheiro) e que sim, não há nada de errado em viver de vender miçangas na praia.

Como tornar o ato de se assumir escritor mais fácil

A gente sabe que o falar é fácil, mas o fazer nem sempre é. Se assumir escritor muitas vezes envolve, vencer a timidez e a paciência de explicar a posição social do escritor (como fizemos no trecho acima), para quase todas as pessoas ao nosso redor. Sendo assim, deixamos abaixo algumas dicas:

1. Entender o papel social do escritor no mundo (e assumir uma postura humilde)
É fundamental que o escritor compreenda e aceite que o fazer literário é um fazer como outro qualquer. Assim como professores, médicos, advogados, engenheiros, gastrônomos e outros profissionais são pessoas normais, com suas lutas, perrengues e conquistas, o escritor também o é. Passar por cima do mito da genialidade e trazer a realidade para todos que o cerca contribuirá muito não apenas no momento de se assumir escritor, mas em todo o preâmbulo que a carreira exige.

Imagem: Tumblr.

2. Entender que pode ser uma armadilha esperar a musa inspiradora e a dor chegarem
Muita gente acha que escrever é algo de quando a gente se sente inspirado ou de quando está sofrendo apenas. O problema disso é que ao assumir esta postura fica mais difícil tratar a escrita como profissão. Já pensou se um engenheiro só construísse uma casa quando algo muito arrebatador na vida dele acontecesse ou se um bombeiro só fosse salvar vidas quando se sentisse verdadeiramente inspirado? O mundo seria um caos, não? Com a escrita é a mesma coisa. É importante ter uma rotina com uma regularidade para escrever. Há autores que escrevem todos os dias. Alguns deles se dão metas de quantidade de páginas ou de palavras escritas. Isso reforça tanto para eles quanto para quem convive com eles que ser escritor é uma profissão que deve ser levada a sério.

Sempre que tocamos neste assunto, surge alguém que diz: "ah, mas se eu sento e escrevo sem inspiração, sai uma bosta". Tudo bem. Escrever todos os dias não significa que tudo o que foi escrito será publicado e chegará a outras pessoas. Além disso, depois de escrever temos toda a etapa de preparação e edição do texto. A qualidade literária não pode servir de desculpa para procrastinação.

3. Entender que é preciso estudo
A profissão de escritor é muito democrática. Temos filósofos, médicos, biólogos, advogados, cantores, fotógrafos, químicos, e tantos outros profissionais que escrevem. Sendo assim, muita gente acha que escrever se resume a isso, a escrever, quando a história não é bem essa.

É preciso estudo. Ler literatura e não-ficção. Ampliar o conhecimento de mundo indo ao cinema, ao teatro, a museus. Estudar literatura: construção de personagens, de enredo, de ambiente, de figuras de linguagem, de público alvo, de importância de imagens, de métrica etc. Fazer cursos (sejam eles presenciais ou onlines). Estudar crítica literária, para saber dar feedback para outros escritores e, sobretudo, a entender o que melhorar no próprio texto. Ser escritor é estudar 24 horas por dia, 365 dias por ano. Não tem para onde correr.

4. Entender que é preciso acreditar no que você escreve e pôr a boca no trombone
Para um escritor que está começando a carreira agora, a divulgação boca a boca é fundamental. Ela começará com o próprio autor que falará em todos os lugares, de todas as formas, sobre a própria escrita. Para que as outras pessoas acreditem e queiram ler o que ele escreveu, é imprescindível que ele sinta que o escritor acredita de fato na própria obra.

Nota-se que tão importante quanto divulgar a própria obra é se autodeclarar escritor. Para começar, que tal um passo simples: coloque na sua assinatura de e-mail "Fulano de Tal, escritor". Você vai ver como uma ação simples assim vai lhe trazer coragem para se assumir escritor de outras formas.

5. Entender que publicar na Internet também é uma forma de ser escritor
Assim como há o mito da musa inspiradora, há também a lenda de que você só é escritor se publica livro físico. Isso não é verdade. Há plataformas de publicação gratuita (como o Wattpad e o Sweek), há modos de fazer autopublicação (como a Amazon e o Clube de Autores). Há sites e blogs. Há zines e revistas.

É legal ter um livro publicado? Sim, muito! Mas não se pode ignorar os outros meios de publicação digitais que levam o seus textos a tantos leitores.

6. Entender que é preciso estar dentro de uma comunidade de escritores
Estar dentro de uma comunidade de escritores ajuda muito a se desenvolver na profissão. Primeiro porque os autores costumam a compartilhar as ideias e angústias. Segundo, porque normalmente há uma troca de textos e esse processo de ler o que o colega escreveu e dar um retorno a ele é fundamental para a apuração do nosso olhar, para o nosso próprio texto. Terceiro, porque um escritor sempre acaba indicando o outro para o seu público e a comunidade se fortalece.

Onde encontrar uma comunidade para chamar de sua?
O Projeto Escrita Criativa tem um grupo no Facebook que tem esta proposta. Para fazer parte dele, clique aqui. Outra forma de conhecer outros escritores é participando de clubes de escrita, de oficinas literárias e de eventos relacionados à literatura (bienais, feiras, lançamentos etc.).

Faça o download do infográfico e leve estas informações sempre com você!
 (Para baixar:
- no computador, clique com o botão direito do seu mouse, depois escolha a opção "Salvar imagem como..."
- no celular: pressione a tela sobre a imagem, depois escolha a opção "Fazer download da imagem".)


Por fim...
Não há um momento exato que delimite o que é lazer e o que é profissão. Então, se você não passar a levar a carreira a sério, quem estiver ao seu redor nunca lhe verá como profissional da escrita. Você tem total capacidade de ser um excelente escritor e nós, do Projeto Escrita Criativa, acreditamos na sua potência! Esperamos que as seis dicas ajudem você a perder o medo de se assumir escritor e que a sua carreira literária deslanche em 2019!

Veja também o que é ser escritor na visão de seis autoras participantes do Projeto Escrita Criativa.

domingo, 6 de janeiro de 2019

,
Imagem por Theglassdeck, sob licença Creative Commons.
Olá, escritores!

Apesar de tudo o que está acontecendo no nosso país nesse momento, o Projeto continua crescendo graças à vocês e hoje superamos os mil inscritos no nosso canal do Youtube! Só temos o que agradecer, somos escritores e devemos apoiar-nos nesse momento tão complicado para o mercado literário.

É por esse motivo que temos um presente especial para retribuir o carinho que vocês têm pelo Projeto! Em troca só pedimos um tweet ou um compartilhamento no Facebook para que a nossa voz possa chegar a mais escritores e interessados no mundo da escrita.


Mais uma vez obrigada pela colaboração, participação e apoio de vocês. Continuem escrevendo, a sua chance de brilhar está aí fora!

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

,

Para começarmos o ano em mais bem decidirmos disponibilizar um calendário de 2019 decorado com frases da nossa Antologia Amor e Resiliência para que o ano de vocês já comece inspirador e mais organizado! 

Para baixar basta clicar nas imagens e fazer o download. 















Follow Us @soratemplates